quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Juntem-se a mim. É preciso mais Voluntários

Sai sai owani? Sàlama appathani aka.

Olá amigos
Venho contar-vos a história de 3 doentes de lepra que já concluíram o tratamento mas a quem a doença deixou marcas para toda a vida. 

O distrito de Nampula /Rapale, onde trabalho, é um pouco diferente dos demais distritos que o rodeiam. Aqui os doentes, com quem trabalho e que se têm deslocado aos locais de concentração, são na sua maioria doentes de lepra em tratamento ou doentes suspeitos. Por vezes, aparecem doentes antigos de lepra que apresentam novas manchas ou reacções lepróticas, iniciando, neste caso, outra medicação mais específica, mas a maioria dos doentes não vem ao meu encontro apenas porque é doente antigo de lepra, como pude observar nos locais das concentrações do Ricardo.

Mas durante as minhas actividades já comecei a encontrar-me com estas pessoas e, de acordo com as suas necessidades, relacionadas com as suas mutilações, tento dar a melhor resposta que me seja possível. Assim aconteceu um dia no Centro de Saúde (C.S.) da Namaíta em que, por outra razão, foi pedida a comparência de alguns doentes antigos de lepra daquele local. O voluntário fez a mobilização e eu conheci a D. Amina Pagela, o Sr. Silvestre Amade e a D. Maria Cotopola. A todos a lepra deixou sequelas profundas: mutilações nos pés e mãos, e a uma delas muito marcada. De imediato, me dei a conhecer e conversámos um pouco em makua e português. Vi que precisavam da ajuda da APARF, ou não fosse para eles que eu aqui me encontro. Marquei com o voluntário uma data e ele comunicou a estes 3 doentes que vieram ao meu encontro no dia 20 de Setembro de 2007, na palhota de um deles, junto ao C. S. da Namaíta.
Então nesse dia lá estavam à minha espera e com sorrisos nos lábios. Cumprimentámo-nos e voltei a dar a conhecer a APARF e o meu trabalho neste distrito em favor dos doentes de lepra, em seu favor. Em conversa, soube que eles, em especial o Sr. Silvestre, conheceram e viveram junto da Irª Maria Rita Valente-Perfeito, da Irª Sacre Coeur e da Irª Clara e lembram--se bem de como foi viver na época da guerra em Moçambique. Falaram-me das dificuldades que viveram, da ajuda preciosa que estas irmãs deram a quem vivia nesta área e do trabalho que as Irmãs faziam com os leprosos. Quando os informei que a Irª Maria Rita vivia agora em Portugal, que colabora com a APARF, ficaram radiantes em saber. Mandam cumprimentos e abraços e um grande “koxukhuru vanjene” (muito obrigado!) às Irmãs, em especial à Irª Maria Rita, com quem conviveram mais.

Bem mas eu não estive só a conversar com eles. Também levava no carro da APARF, algo que lhes era muito útil: sapatos, mantas, roupa, sabão e sal. Foi distribuído a cada um deles, conforme as suas necessidades e mutilações, calçado adequado. Ficam “otteliwa murima vanjene” (muito felizes) com os sapatos novos. 

Dos três, a D. Amina Pagela é a que apresenta mais mutilações. As mãos perderam todos os dedos e os pés também, apenas ficaram uns cotos que ela reaprendeu a utilizar na sua vida diária. Ela é a que vive mais perto do C. S. da Namaíta e vive com a filha e 5 netos todos ainda pequenos. Quando recebeu o saco com o que a APARF lhe ofereceu agradeceu-me com um tímido “obrigado” em português e com os olhos a esconder uma lágrima, que me deixou muito sensibilizada e feliz por estar aqui, na Namaíta, em Moçambique, a ajudar quem mais precisa e a viver o que eu sempre desejei: uma experiência junto dos mais necessitados e esquecidos de todos. Neste local são os leprosos e é para eles, em especial, que eu aqui estou.

Depois de 11 meses de experiência nestas terras de Nampula, muito tenho de vos contar, pois o que vivi e vivo todos os dias não dá para descrever num pequeno texto como este… Tenho aprendido muito sobre a doença de lepra. Tenho aprendido muito sobre a cultura local. Tenho aprendido alguma coisa sobre a língua makua! Tenho aprendido muito com os leprosos. E é para eles que eu aqui me encontro e foi para eles que trabalhei estes meses que passaram.

Tive o privilégio e a sorte de não estar só, pois tive e senti sempre o vosso apoio através de cartas, telefonemas, e-mails, mensagens, visitas, … mas também o apoio de todos aqueles que aqui me rodearam e rodeiam todos os dias. Mas, também, durante estes meses, tive a companhia do Ricardo, que me ajudou, apoiou e acompanhou durante as minhas actividades aqui. Ter alguém perto de nós que vem da mesma Associação, tem a mesma cultura, o mesmo espírito, partilha os mesmos ideais, a mesma idade, a mesma experiência, … é um grande apoio, no início, quando se chega a um local novo e onde não se conhece ninguém. Depois com o passar do tempo, é alguém com quem desabafar, partilhar o dia a dia do trabalho com os doentes de lepra e o partilhar ideias e actividades para benefício destes. Foi, neste espírito, e para aumentar também a minha visão acerca dos doentes de lepra, que acompanhei o Ricardo durante uma semana nas suas visitas aos leprosos no “seu distrito de Murrupula”. 

 Vimos muitos doentes com sarna, casos suspeitos de lepra e casos antigos… visitámos novos locais de concentração, onde não é possível chegar todos os meses, devido às condições atmosféricas,… acompanhei o dia a dia do Ricardo, que distribuiu sabão, medicamentos, roupa, palavras de incentivo e motivação aos doentes e voluntários…  posso dizer que também colaborei, com o Ricardo e os seus doentes, fazendo alguns pensos e observando alguns doentes que padeciam de “outras lepras”…
Os doentes que aparecem nas concentrações são também muitos doentes antigos de lepra, que já concluíram o seu tratamento. Este distrito estava considerado como endémico no ano de 2006 mas este ano é o distrito de Nampula / Rapale, onde eu trabalho, que tem o maior número de casos de lepra. Isto não significa que a lepra acabou em Murrupula ou nos outros distritos da Província de Nampula, pois ainda existem muitos doentes como pude ver e saber, acompanhando o Ricardo. Estes doentes irão sempre precisar de ajuda, ora de sal, sabão, calçado, mantas, roupa, medicamentos para feridas, para a sarna, pomadas oftálmicas, … e o Ricardo tenta fazer o que de melhor pode para minimizar as suas “preocupações”. 

Todos os dias aprendemos coisas novas e foi com o Ricardo que comecei a descobrir a problemática da sarna, que também existe no “meu distrito”. Esta doença não está tão disseminada aqui onde me encontro, pois o distrito de Nampula / Rapale envolve a área rural da cidade de Nampula. Logo são zonas mais próximas dos grandes hospitais da cidade, teoricamente dos cuidados de saúde. Mas na prática, há locais que eu também visito e alguns deles ficam nas periferias com os distritos vizinhos, onde observo muita sarna. Foi graças à “famosa pomada caseira da Missão de Murrupula”, cujos conhecimentos já vieram de outros voluntários, que pude também dar uso a esse medicamento tão eficaz para esta doença. 

A semana que acompanhei o Ricardo veio aumentar a minha visão sobre os doentes de lepra e confirmar o que eu já sabia: muito falta ainda a fazer nestes locais, ora seja em Nampula, ora em Murrupula, ora nos outros distritos da Província de Nampula e restantes de Moçambique. É preciso que mais voluntários venham para estas terras, para que juntos possamos ajudar estes doentes que tanto precisam e que tanto oferecem também.

Caros amigos, antes de me despedir quero aqui deixar um “koxukhuru vanjene” (muito obrigado) a todos os que, em especial durante este ano de 2007, me ajudaram e apoiaram aqui em Nampula; e um “koxukhuru vanjene” a todos os amigos da APARF, os amigos dos leprosos, que possibilitaram a minha estadia aqui… mas espero que continuem a apoiar pois eu irei a Portugal no mês de Dezembro de 2007 mas voltarei para continuar o meu muteko (trabalho) junto dos doentes de lepra, dos que considero “meus doentes”! 

Feliz Natal e Feliz Ano Novo  Mpakha nihiku nikina

Da vossa amiga Vanda
(Voluntária da APARF)

Sem comentários:

Enviar um comentário